top of page
Buscar
  • Foto do escritorAlexandre Barbosa

Sunk Cost


Você gosta de alimentos orgânicos ?

Imagine receber a cada semana, tudo limpinho, em porções para cada refeição e ainda com várias sugestões de receitas? Excelente, não ? Pois é, a gente também achava e, assim, fundamos a Horganópolis e afundamos em 3 anos!

Já antes do final do segundo ano, o negócio apontava para o insucesso, mas aí fomos pegos pelo viés do sunk cost ou custo afundado, também chamado de custo irrecuperável ou custo incorrido.

Esse viés descreve uma tendência de seguir em frente em empreendimentos onde tempo, dinheiro ou esforço já foram investidos. Ocorre porque a tomada de decisão é muitas vezes irracional e baseada em emoções. Também está associado à aversão à perda.

Sabe quando você não quer desistir porque já chegou até ali? Pois é…

Olhando para o lado teórico da economia, esses custos não deveriam ser levados em conta, uma vez que não podem ser recuperados. Entretanto, não é bem assim que as coisas acontecem.


No artigo da semana passada Resiliência, Escolhas e Fluidez, abordei a necessidade de fazermos escolhas, buscando outros caminhos e não apenas sermos resilientes, insistindo sempre no mesmo caminho.

Não estou dizendo que temos de desistir no primeiro sinal de que as coisas não estão indo bem. Claro que garra, resiliência, é super importante, mas precisamos ser conscientes de que essa resiliência, persistência, garra, pode estar nos cegando à explorar outras possibilidades.

Sonhamos com a Horganópolis e, erradamente, acreditamos que deveríamos nos agarrar a esse sonho, custasse o que custasse, pois já havíamos investido muito naquele caminho. Parafraseando a frase motivacional da Artilharia do Exército, você não precisa morrer abraçado ao seu sonho.


No meu livro A Alta Performance dos Comandos Anfíbios, explico a sigla ESAON que usamos na Selva. Pode ser muito útil para você evitar a armadilha do sunk cost.


1) Estacione – Pare! Não avance! Todos nós tomamos decisões ruins em algum momento da nossa carreira. O ponto é parar o mais rápido possível.

2) Sente-se – Reúna-se com a sua equipe.

3) Alimente-se – Ouça as opiniões, considere e celebre as ideias diferentes das suas.

4) Oriente-se – Pondere! Analise os prós e contras, usando a ferramenta ou método que você costuma usar.

5) Navegue – Ponha o plano em prática e avalie, continuamente, seus números e impactos.


Você está lutando obstinadamente tentando alcançar algo, por causa de velhos hábitos, pressões externas ou medo de mudanças, ou você ponderou sabiamente e sabe realmente onde quer chegar?


A verdadeira coragem, às vezes, é saber quando desistir e seguir por outros caminhos.

7 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

1 Comment


Jose Nicanor Mello da Silva
Jose Nicanor Mello da Silva
Aug 21, 2023

A hora de parar é um dos momentos mais difíceis do Empresário.

Por vezes, essa decisão tomada com a antecedência devida minora em muito os prejuízos.

Um planejamento estratégico é fundamental para a condução das organizações.

Like
bottom of page