Buscar
  • Alexandre Barbosa

Será Que Tem Jeito?

O bombardeio estava mais cerrado que as primeiras horas do desembarque em Iwo Jima!

Bastavam cerca de dez minutos de conversa com o meu chefe, Sênior Vice-presidente para a América Latina, e eu ouvia que tinha que demitir o gerente de uma das unidades de negócio.

Aquilo estava me irritando muito! E, para piorar as coisas, o tal gerente deixava alguns furos indefensáveis.

Quase pirei! Já não sabia se o meu chefe estava certo e eu sendo teimoso ou se valeria a máxima que as pessoas podem melhorar, se quiserem e se tiverem oportunidade.

A droga é que quanto mais alguém me empurra para uma direção, mais força faço para ir na direção contrária (que feio, hein? Mas é a pura verdade!).

Depois de quase concordar com ele e quase demitir o cara, decidi que iria seguir os meus princípios (ou teimosia) e aí parti para uma verdadeira operação de guerra, usando variadas táticas de engajamento, em diferentes frentes de batalha.

Ataque frontal: chamei o gerente e reforcei os pontos que deveria melhorar e a minha confiança de que ele conseguiria.

A partir daí a vida do cara virou um inferno. Pressão constante, “mentoring”, e mais pressão. Só faltou o “pede para ir embora, 02”.

Tática de guerrilha: parei de bater de frente com o VP.

Criei um jeito de aliciar um grupo de resistência, no quartel-general da América Latina: o VP de Vendas, o Brand Manager e o seu “braço direito”.

Durante uma das revisões trimestrais, em Miami, listamos as principais dimensões da função do gerente e pedi para que eles criticassem e determinassem os reais pontos de melhoria. Saí da sala e esperei eles me chamassem.

Desse ponto em diante, foi só executar!

Calma, não estou falando do gerente, mas do plano de ação.

Pedi ajuda ao meu principal executivo e nos dividimos num ciclo contínuo de “mentoring” e acompanhamento, sem esquecer a pressão.

Às vezes, achávamos que o cara ia espanar, mas ele aguentou firme!

Ele parou de querer fazer tudo, parou de proteger o seu time dos problemas.

O time reagiu, percebeu que era importante, sentiu-se comprometido com a situação e fizeram parte da solução.

Bem, a história acabou muito bem.

O gerente de fato liderou o time, os resultados aumentaram, o fabricante e os canais só elogiaram e o grupo de resistência ficou muito satisfeito!

Ah! E ainda o meu chefe parou de me irritar e também começou a elogiar o resultado de tudo isso.

Qualquer pessoa merece uma chance e tem jeito sim!

Se ela quiser ser ajudada, basta usar as ajudas certas. Mas o “SE QUISER” faz toda a diferença.

#liderança

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A Arte de Liderança dos Comandos Anfíbios

Em breve, vou lançar o livro A Arte de Liderança dos Comandos Anfíbios - Os 7 Princípios da Tropa de Operações da Marinha para Equipes de Alta Performance. Você quer ter uma equipe de alta performance